Quem são, como vivem e o que pensam os jovens da Geração Z?

Nascidos a partir de meados dos anos 90, os ainda meninos e meninas da Geração Z são críticos, característica que pode revelar boas ideias e projetos. Mas também são impacientes e convivem com a constante mudança de opinião diante dos fatos do mundo.

A principal diferença dos “Zs”, frente às outras gerações, é a facilidade de operar qualquer advento tecnológico, por mais complexo que ele seja. Esse fator é o que os torna mais avançados em relação à tecnologia e a novos conceitos dos produtos.

No entanto, essa geração – chamada também de Silenciosa – pode ser definida como aquela que tende ao egocentrismo, preocupando-se somente consigo na maioria das vezes.

Em cerca de dois anos, eles já terão invadido o mercado de trabalho. Porém, como lidar com esses novos “cidadãos”, sem antes conhecê-los?

Prazer, eu faço parte da Geração Z!

Entre os fatores que influenciam estes jovens, estão o puro conceito de globalização e a velocidade de informações. Para eles, é impossível imaginar um mundo sem internet, telefones celulares, computadores, iPods, videogames, televisores e vídeos em alta definição.

“Suas características são latentes: eles não se preocupam com os outros e fogem do tradicional espírito de equipe. Basta ter algum aparelho que eles já estão satisfeitos”, afirma o consultor de empresas Gilberto Wiesel.

Para ele, a Geração Z não quer conversar verbalmente – uma vez que desenvolveram a linguagem da comunicação via internet -, não vislumbra uma carreira profissional e muito menos despende muito tempo com os estudos. Segundo especialistas mais radicais, explica Wiesel, poderá haver uma “escassez” de médicos e cientistas no mundo pós-2020.

Esses jovens funcionam a curto prazo, pois procuram rápidos resultados e buscam a experimentação precoce das situações, avalia o consultor.

Um consumo diferente

“Eles não se preocupam com marcas, mas sim com os benefícios que elas podem trazer”. A afirmação de Wiesel corresponde às exigências do mundo atual.

Segundo o consultor, esses jovens enfatizam a questão de sustentabilidade, não porque pensam no futuro do planeta, mas sim porque avaliam as condições dos próximos anos para si mesmos.

“Ao receberem um beneficio, esses garotos irão avaliá-lo de maneira diferente, colocando sempre no topo seus interesses pessoais, e não um valor possivelmente agregado”, diz Wiesel.

Diferentemente da Geração Y, imediatamente anterior, a Z não sente-se atraída em resolver problemas com a ajuda dos outros. Preferem a solução por si próprios, sem levar preocupação a terceiros. Para eles, basta a satisfação pessoal, independentemente do que aconteça à sua volta.

Entrada para o mercado

Wiesel sustenta que a Geração Z trará inovação em muitas áreas profissionais. “Essa geração está vindo e as empresas devem estar preparadas para isso. Eles forçarão uma mudança de olhar na área corporativa”.

Associada a essas mudanças, estão as questões de liderança, motivação e, principalmente, do ambiente na organização. Para esses jovens, a hierarquia não é bem vista.

Outra tendência levantada pelo consultor refere-se à predileção em trabalhar de casa. “Predomina a comodidade, o recuo em relação ao trabalho de equipe e principalmente a questão individual, de trabalhar sozinho”, explica Wiesel. “Nesses casos, eles irão render muito mais e trabalhar com muito entusiasmo”.

Fato consumado é que em cerca de dois anos o mercado de trabalho já estará respirando as aspirações da Geração Z.

*Os textos aqui apresentados são extraídos das fontes citadas em cada matéria, cabendo às fontes apresentadas o crédito pelas mesmas.


Resultados patrocinados para: Negócios

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. maio 20, 2010
  2. maio 20, 2010

    Quem são, como vivem e o que pensam os jovens da Geração Z?: Nascidos a partir de meados dos anos 90, os ainda men… https://bit.ly/9mj5f8

  3. maio 20, 2010

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *