Integração da informação sobre saúde via web

A tecnologia de informação e comunicação apresenta cada vez mais benefícios para a execução das atividades profissionais. A estrutura da área de saúde on-line se apresenta em quatro níveis: pesquisa & desenvolvimento, produção e distribuição, marketing e vendas e gestão de relacionamento com os clientes. Este artigo tem por objetivo demonstrar o gerenciamento que o profissional da área de saúde pode colocar em ação mediante o alicerce da tecnologia desde a informatização do consultório e/ou clínica até o uso da internet móvel.

Em termos de pesquisa e desenvolvimento (P&D), as plataformas pós-genômicas utilizam tecnologias da WEB para pesquisar dados. As melhorias mais significativas estão relacionadas com os testes clínicos impulsionados pelo recrutamento eletrônico de pacientes e gerenciamento eletrônico de dados. Daqui há alguns anos, poderá ser possível um paciente enviar para o seu médico o check-up mensal por meio dos dados coletados pelo comprimido que ingeriu pela manhã. Parece ficção, mas a tecnologia já é realidade no século XXI. Portanto, os impactos da tecnologia de informação e comunicação (TIC) estão modificando a relação médico-paciente e as formas de interação entre o profissional da saúde e a comunidade ao qual está inserido.

 No marketing digital, por exemplo, os websites agregaram valor ao ultrapassar o paradigma da publicação passiva para a interatividade, possibilitando o surgimento de comunidades virtuais de pacientes. Estes mesmos pacientes que assumiram uma postura pro-ativa em busca de soluções a seus sintomas e problemas de saúde por meio do acesso fácil, ágil e rápido proveniente da WEB. Um exemplo bastante corriqueiro, na atualidade, é o preço de medicamentos pesquisado na internet por intermédio de websites ou sistemas desenvolvidos para esse propósito. Antes as opções se restrigiam ao contato via telefone ou ao balcão da farmácia. Agora, com acesso a internet precisa apenas digitar o endereço dos vários guias existentes (Tabela 1) e fazer a sua pesquisa por nome de medicamento ou substância ativa. O real resultado dessa acessibilidade? Pode-se fazer uma comparação entre medicamentos do mesmo princípio ativo de vários laboratórios, escolher o que tem preço mais acessível e identificar se a farmácia ao qual é cliente vende os medicamentos acima do preço pesquisado ou o percentual efetivo da promoção anunciada. Assim, quando se for adquirir o medicamento já se tem a informação de quanto irá gastar e planejar a aquisição e forma de pagamento que convier. Se a informação que procura se restringe a orientações de medicamentos têm vários mecanismos de pesquisa no mercado. Saliento o BPR – Guia de Remédios com informações on-line contendo nome genérico, marcas comerciais e demais informações pertinentes e o sistema EPF – Enciclopédia de Produtos Farmacêuticos da Centralx que se interliga com a Tabela de preços de medicamentos, ampliando as informações aos interessados.

 

 

 

            As facilidades proporcionadas pela internet abrange pessoas e profissionais da saúde em várias esferas. A informática tomou forma e o computador virou instrumento de trabalho em qualquer instância onde há procura pela produtividade e competitividade. Na área de saúde não é diferente. As tendências apontam para grandes transformações na relação entre o profissional de saúde e cliente por meio de sistemas interligados à internet. Por exemplo, o médico atende o telefonema de um paciente, ele não está em seu consultório, ele não tem acesso as informações do paciente naquele momento. Ele pode alterar a medicação, mas terá que se lembrar de inserir essa informação posteriormente. Esta observação vem de encontro com as mudanças ocorridas no mercado que envolvem o consumidor e, aqui no caso, o paciente. Em outros termos, não é agradável o paciente perceber que o médico não se recorda da medicação que prescreveu, pois ele paga por um plano de saúde caro e a atenção está voltada para como ele se sente atendido pelo profissional.

            O profissional de saúde atende vários pacientes por dia em diferentes locais de trabalho. Recordar a anamnese do paciente, identificar alergias, os medicamentos que o paciente já utiliza, enfim naquele pequeno espaço de tempo do telefonema, o médico precisa identificar uma série de variáveis das quais ele dispõe, no momento, de sua memória. Presume-se que esteja atendendo uma emergência, um paciente que pode ter tido alta do hospital há poucos dias ou que tenha uma enfermidade grave. Esse pode ser o dia-a-dia do médico. Ele não tem como andar com os registros médicos do paciente e nem prever qual paciente vai solicitar a sua atenção num dado momento. A tecnologia de informação e comunicação já está lidando com essas dificuldades profissionais e apresentando soluções cada vez mais integradas. Hoje, dificilmente um profissional desses pode se dar ao luxo de não ter um celular, entretanto o celular sozinho não resolve a situação descrita. Ele precisa agregar outros instrumentos tecnológicos.

            O primeiro passo a ser efetuado é informatizar o consultório e colocar os computadores em rede. Adquirir um software que substitua a ficha padrão em papel e iniciar a utilizar o computador para anotar o desenvolvimento do tratamento do paciente. O próximo procedimento é providenciar o acesso à internet, de preferência, via conexão banda larga. Realizados esses processos, o profissional pode acessar os registros do paciente e a agenda via internet desde de que ele esteja em um local com computador conectado a Web. Além disso, também pode utilizar o celular para se conectar a internet e acessar as informações sobre os pacientes por meio de um palm top ou Smartphone. Com absoluta certeza, o profissional poderá atender a emergência do paciente com maior rapidez, eficiência e tranqüilidade.

            Os custos de tais avanços tecnológicos se diluem pela produtividade alcançada e satisfação das partes envolvidas. Os preços de microcomputadores já se tornaram acessíveis, basta que o profissional saiba do que realmente necessita e vai utilizar. De qualquer forma, há uma gama de profissionais especializados em dimensionar as reais necessidades em termos de hardware.   Os softwares existentes no mercado são viáveis economicamente e apresentam muitas facilidades de uso. Existe o PersonalMed para clínicas e consultórios e o sistema de gestão hospitalar da Gens, o HiDoctor em várias configurações, inclusive, o módulo odonto para consultório e o Clinic para o âmbito de clínicas da Centralx e da Racional Sistemas com o Racimed, sistema destinado à informatização de consultórios e clínicas também. Como essas três empresas mencionados, existem várias outras. O importante é o profissional de saúde ter conhecimento que se tiver interesse em fazer parte do mundo da conectividade e usufruir de seus benefícios basta entrar na internet e pesquisar a variedade de produtos ofertados. As alternativas são muitas, entretanto sempre existe um software que se adapta as necessidades do usuário.

Para a internet móvel é necessário possuir um celular com a tecnologia adequada a esse propósito. Os smartphones são os equipamentos ideais a esse propósito, pois agregam as funcionalidades do celular com a de um computador de mão. Há de vários preços e funcionalidades. As concessionárias (Vivo, Tim, Claro e Nextel) possuem a infra-estrutura necessária para que o consumidor acesse a internet via celular sem pagar o custo de uma ligação normal. O que se altera é o tipo de plano que o usuário deve optar junto a sua concessionária de serviços de telefonia celular. Cada operadora tem seus planos ao consumidor. Para tomar conhecimento do que existe, sugere-se que entre na website da concessionária e pesquise sobre a transmissão de dados via internet móvel.

            Pode parecer estranho, para alguns profissionais, que o método tradicional de trabalho e atendimento aos clientes não é mais o mais adequado na atualidade. Pode-se fazer um paralelo com o fax. Atualmente, não existe uma empresa que não tenha esse equipamento. Ele já foi até substituído, em algumas situações, pelo correio eletrônico, porém ele continua a ser utilizado em função de suas facilidades de se transmitir a locais remoto documentos em papel. Em algumas situações ele é insubstituível. Da mesma forma, a relação profissional-paciente também o é. No entanto, pelas características do cotidiano das pessoas, é imprescindível o uso da tecnologia para tornar a existência profissional menos estressante, ao mesmo tempo em que, agrega eficiência e eficácia ao trabalho a ser executado com o menor tempo e com maior grau de certeza. Como observou Freeman Dyson, “o hardware processa informações, o software corporifica as informações. Esses dois componentes têm seus correspondentes exatos na célula viva: a proteína é o hardware e o ácido nucléico, o software”.

Resultados patrocinados para: Negócios

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. julho 19, 2010

    Integra: A tecnologia de informação e comunicação apresenta cada vez mais benefícios para a execução das atividade… http://bit.ly/bc5NXi

  2. julho 19, 2010

    Integra: A tecnologia de informação e comunicação apresenta cada vez mais benefícios para a execução das atividade… http://bit.ly/bc5NXi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *